A Associação Cultural Videobrasil é um centro internacional de referência para a produção contemporânea do Sul geopolítico do mundo. Desde 1991, cria ações voltadas para o fomento, a difusão e o mapeamento da arte da região, a formação de público e o intercâmbio entre artistas, curadores e pesquisadores.

Em parceria com o SESC São Paulo, a Associação realiza exposições como as recentes Joseph Beuys – A revolução somos nós (São Pauloe Salvador, 2010/11) e Sophie Calle – Cuide de você (São Paulo e Salvador, 2009), além do Festival Internacional de Arte Contemporânea SESC_Videobrasil, que chega à 17ª edição em 2011.

Outras realizações constantes da parceria ACV-SESC São Paulo incluem o Programa Videobrasil de Residências, que indica artistas para intercâmbios oferecidos por instituições parceiras no Brasil e no exterior; a Videobrasil Coleção de Autores, série de documentários sobre artistas; o Caderno SESC_Videobrasil, publicação anual sobre arte contemporânea; o banco de dados Videobrasil On-line; a Videoteca Videobrasil, que disponibiliza para o público parte da coleção da instituição no SESC Pinheiros; o FF>>Dossier, série de perfis on-line de artistas; os Encontros e Oficinas SESC_Videobrasil, programas mensais em unidades do SESC.



Solange Oliveira Farkas é curadora internacional e presidente da Associação Cultural Videobrasil. Criou o Festival Internacional de Arte Contemporânea SESC_Videobrasil, que se tornou referência para a produção artística do Sul geopolítico do mundo. Em 25 anos de carreira, esteve à frente de exposições como a Mostra Pan-Africana de Arte Contemporânea (Salvador, 2005); La Mirada Discreta: Marcel Odenbach & Robert Cahen (Buenos Aires, 2006); Roteiro Amarrado (CCBB Rio de Janeiro, 2010) e Suspensão e Fluidez (ARCO, Madri, 2007), em torno da obra do artista brasileiro Eder Santos; Sophie Calle – Cuide de você (São Paulo e Salvador, 2009); e Joseph Beuys – A revolução somos nós (São Paulo e Salvador, 2010). Diretora e curadora-chefe do Museu de Arte Moderna da Bahia de 2007 a 2010, realizou na instituição exposições de artistas como Chelpa Ferro, Daniel Senise, Thomaz Farkas e Mario Cravo Neto. Em 2011, participa como curadora da décima edição da Bienal de Charjah (Emirados Árabes Unidos), da 16ª Bienal de Cerveira (Portugal) e do 6º Videozone: International Video Art Biennial (Israel), e assina como curadora-geral o 17º Festival Internacional de Arte Contemporânea SESC_Videobrasil, que apresenta a primeira individual do artista dinamarco-islandês Olafur Eliasson no país.